Militar

Armas dos EUA e Israel são confiscadas por exército sírio após expulsão de terroristas

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

Autoridades e unidades de engenharia do exército sírio encontraram nesta quinta-feira (25) mísseis fabricados pelos Estados Unidos, vários morteiros de Israel e uma enorme quantidade de munição no bairro de al-Waer, na cidade de Homs, enquanto faziam uma varredura após terem expulsado terroristas- possivelmente do Estado Islâmico e frente Al-Nusra – da região.

weapons-ammunition-seized-archive

Segundo informações do repórter que fez a cobertura para a Syrian Arab News Agency as unidades foram apreendidas dentro dos centros de comando dos terroristas e correspondem a mísseis B10 e LAW, um míssil Cobra, foguetes Katyusha e RPG.

Durante a operação também foram encontrados, cartuchos de morteiros israelenses da IDE (empresa israelense de tecnologia), lançadores de foguetes, máscaras de proteção, binóculos, rifles sniper, fuzis automáticos e grande quantidade de munições e coletes.

Há outras provas da cooperação entre Estados Unidos e Israel com os terroristas na Síria

Em fevereiro de 2016 o Panorama Livre reportou o confisco de uma grande carga de minas letais israelenses, anti-humanas e anti-veículos, em posse do Estado Islâmico. O flagrante se deu no sul da província de Sweida e na ocasião os caminhões apreendidos pelo Exército Sírio também estavam carregados com foguetes, artilharia e morteiros, munições de luz, balas de fuzil e um grande número de granadas.

Já em abril de 2016 outra apreensão, desta vez em As-Suwayda, capturou veículos que carregavam mais minas letais israelenses, além de morteiros, RPGs e granadas – o detalhe é que o armamento continha  instruções em hebraico, sobre como manejar as armas.

Entretanto, o caso mais emblemático se deu em setembro do ano passado quando três mísseis Kalibr disparados pela marinha russa destruíram um centro de comando do Estado Islâmico, na região de Aleppo, na Síria, matando cerca de trinta oficiais, israelenses, britânicos, americanos, turcos, catares e sauditas. Tais oficiais dirigiam operações ao lado de grupos terroristas na região. O caso se deu antes de Aleppo ser libertada o que ocorreu em dezembro de 2016.

Referência:

SANA

Standard
Guerra

Estados Unidos está usando terroristas na luta contra governo sírio, diz ministro russo

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

O novo ataque da Força Aérea dos Estados Unidos na Síria confirma a intenção de Washington de usar o grupo terrorista Jabhat al-Nusra (proibido na Rússia) na luta contra o governo de Bashar al-Assad, apontou o ministro russo das Relações Exteriores, Sergey Lavrov.

A Rússia está preocupada com as diferenças na compreensão do conflito sírio e as ações separadas e, segundo Lavrov, enxerga a necessidade de uma união entre aqueles que lutam por terra e ar contra os terroristas do Estado Islâmico e da Jabhat al-Nusra.

“Vemos a confirmação da intenção de usar a oposição e alguns extremistas, incluindo a Jabhat al-Nusra, na luta contra o governo legítimo da Síria”, disse Lavrov.

ministrul2brus2bde2bexterne252c2bserghei2blavrov252c2bironic2bla2badresa2bdeclara25c8259biilor2blui2brex2btillerson252c2bprivind2brela25c8259bia2bdintre2brusia2b25c82599i2bs

Isto vem simultaneamente aos apelos de Washington para interromper todos os contatos com Assad, explicou Lavrov, observando que o Congresso dos EUA tinha aprovado uma lei exigindo punição para aqueles que cooperam com o governo legítimo da Síria.

“Isso nos distrai do assentamento sírio e do principal objetivo desse assentamento – impedir a tomada da Síria e outras partes do Oriente Médio por terroristas. Então, o que ouvimos sobre a posição de Washington sobre a Síria agora é, de fato, escoltar os terroristas”, garantiu o ministro russo.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia não tem informações de que Washington alertou Moscou antes de executar um ataque aéreo às forças sírias, revelou Lavrov – “Eu não sei sobre nenhuma dessas advertências.”

O ataque aéreo dos Estados Unidos contra as forças do governo da Síria era ilegítimo e ilegal, independentemente dos motivos alegados e do que o causou, acrescentou o diplomata russo:

“O comando dos EUA disse que o ataque foi feito porque essas forças pró-governo representaram uma ameaça à oposição que coopera com a coalizão liderada pelos Estados Unidos”.

“Seja qual for a razão pela qual o comando dos EUA tomou tal decisão, o ataque foi ilegítimo e ilegal. Foi mais uma violação grosseira da soberania da Síria “, afirmou Sergey Lavrov.

Um contingente da força aérea dos EUA, pertencente ao grupo antiterrorista, atacou forças pró-governo na Síria, na última quinta-feira (18), que operam dentro da zona de desalinhamento estabelecida a noroeste de Tanf.

A coalizão liderada pelos estadunidenses argumentou pateticamente que as forças sírias tinham representado uma ameaça aos Estados Unidos e seus aliados. A bem da verdade, são os americanos que atuam na Síria sem autorização do governo local, configurando-se assim como invasores.

Referência:

Al Masdar News

Standard
Terrorismo

Contingente militar dos EUA entra na Síria para treinar “rebeldes”

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

Um contingente militar norte-americano adentrou o sul da Síria na fronteira de Tanf e começou a treinar unidades do Exército Livre da Síria (FSA) em uma área desértica, informou hoje a mídia de oposição a Assad, Hammurabi’s Justice News.

18423878_10158596118500361_8726078243645830584_n

De acordo com a tal página de oposição, que inclusive tem imagens que comprovam a informação, os militares dos EUA estão treinando as forças Mughaweir Al-Thawra na região montanhosa de Tanf, no sudeste de Homs.

Os militares dos EUA estariam supostamente treinando esses rebeldes para combaterem as forças do Estado Islâmico (ISIS) no sudeste da Síria, entretanto os fatos mostram que tanto a oposição síria quanto os próprios americanos praticamente só atacam o regime Assad.

18341921_10158596118570361_6823625907633407571_n

A bem da verdade é até difícil citar quais foram os ataques ao Estado Islâmico por parte dos Estados Unidos e do Exército de Libertação da Síria.

O próprio Exército Árabe Sírio (SAA) e seus aliados estão preocupados com a presença dos Estados Unidos na área, pois não acreditam que este último esteja interessado em combater o Estado Islâmico, mas sim, impor uma zona de exclusão para combater o governo em Damasco, revelou uma fonte militar.

Vale lembrar que os Estados Unidos não possuem autorização do governo local para atuar na Síria e que esses mesmos terroristas chamados de rebeldes moderados, os quais o exército americano está treinando, abriram o caminho para a proliferação do Estado Islâmico na Síria.

Referência:

Al Masdar News

Standard
Sionismo

Estado Islâmico pediu desculpas por atacar Israel, diz ex-ministro da defesa

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

O ex-ministro da defesa de Israel, Moshe Ya’alon, revelou no último dia 22 de abril que o grupo terrorista Estado Islâmico “se desculpou” a Israel por atacar uma de suas unidades nas parte síria das colinas de Golã.

“Houve um caso recentemente em que o Daesh abriu fogo e pediu desculpas”, disse Ya’alon, chamando os terroristas pelo nome que eles mesmos usam.

f170118ma006-635x357

O episódio foi uma referência entre um aparente choque que ocorreu perto da fronteira da Síria, em novembro de 2016, em que as tropas de IDF chegaram a trocar fogo com os membros do Estado Islâmico. Depois de uma breve batalha armada, os militares sionistas chegaram a realizar supostos ataques aéreos, que teriam matado apenas quatro terroristas.

Nada comparável, por exemplo, aos inúmeros ataques que a força área de Israel faz as tropas do regime Assad que são os maiores inimigos do Estado Islâmico.

Este grupo que se encontra nas colinas sírias do Golã é conhecido como o Exército Khalid ibn al-Walid, sendo considerado um grupo terrorista. A comunicação com eles é tecnicamente ilegal sob a lei israelense, constituindo contato com um agente inimigo.

Entretanto o oficial  Ya’alon se recusou a explicar como exatamente o Estado Islâmico expressou suas desculpas a Israel depois do ataque. A IDF também se recusou a comentar.

Ya’alon estava falando em um evento na cidade do norte de Afula. Ele foi entrevistado no palco por Eli Levi, um correspondente de notícias do Canal 10 da TV israelense.

Seu comentário sobre as desculpas do Estado Islâmico foi feito como parte de um ponto mais amplo sobre a política de Israel para a Síria, que é em grande parte com poucas ações diretas, apesar delas ocorrerem e mais com ações indiretas ao financiar, dar armas, mantimentos, atendimento médico e apoio logístico aos terroristas, tudo por debaixo do panos.

Ya’alon explicou que Israel faz ataques contra as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, em retaliação, quando ataques atingem as colinas de Golã israelenses.

Autoridades sírias acusaram Israel de ajudar diretamente o Estado Islâmico e outros grupos rebeldes, uma alegação que a ocupação de Tel Aviv nega.

Moshe Ya’alon enquanto Ministro da Defesa disse preferir o Estado Islâmico ao Irã na Síria

jahabat

Moshe Ya’alon é o mesmo que em janeiro de 2016 declarou publicamente que preferia ver o Estado Islâmico na Síria a um governo que tem o apoio do Irã, querendo dar a entender que o regime de Bashar al-Assad seria uma ameaça a Israel por ser instrumento de Teerã.

“Na Síria, se a escolha é entre o Irã e o Estado Islâmico, eu escolho o Estado Islâmico”, cravou Ya’alon conforme registrou o Times of Israel na época.

De fato, além de declarações, pedidos de desculpas e convivência pacífica – há também as armas, mantimentos, rotas petrolíferas, apoio logístico e os atendimentos médicos prestados por Israel ao Estado Islâmico como claras evidências de que os terroristas, na Síria, são nada mais nada menos que um grupo mercenário a serviço desta falsa Israel que ocupa a Palestina.

Referência:

Times of Israel

Standard
Guerra

Assad expõe como Israel e Estados Unidos ajudam intencionalmente os terroristas na Síria

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

O presidente sírio, Bashar al-Assad, maior autoridade do país, novamente acusou Israel de fornecer armamento e apoio logístico aos terroristas que promovem uma verdadeira carnificina no país árabe.

Em entrevista à televisão venezuelana Telesur nesta quinta-feira (27), Assad disse que o papel de Tel Aviv na guerra contra a Síria ocorre de duas formas: primeiro seu envolvimento por meio de “agressão direta”, contra as posições do exército sírio, usando aviões de guerra, artilharia e mísseis.

“Em segundo lugar, é apoiando os terroristas de duas maneiras: a primeira, fornecendo apoio direto sob a forma de armas e, segundo, fornecendo apoio logístico, ou seja, permitindo-lhes realizar exercícios militares nas áreas as quais controla. Eles [Israel] também fornecem-lhes assistência médica em seus hospitais”, disse Assad, mais uma vez pontuado algo que qualquer especialista já sabe.

da5e7a2c-86dc-493c-a719-0e3b3a2ae9ed

O presidente sírio enfatizou que essas alegações contra Israel podem ser facilmente confirmadas até por pesquisas feitas na internet.

“Não são meras alegações ou suposições – são fatos, verificados e publicados na internet, que você pode facilmente acessar, das evidências comprovadas, do papel de Israel no apoio aos terroristas na Síria”, exemplificou o presidente sírio.

Israel realizou vários ataques às posições do governo sírio desde que os militantes patrocinados por estrangeiros ebuliram em março de 2011. Damasco disse que os ataques têm como objetivo ajudar os militantes Takfiri do Estado Islâmico que lutam contra as forças do governo.

No inicio desta quinta, a Síria revelou que Israel disparou vários mísseis em uma posição militar perto do aeroporto de Damasco, provocando uma enorme explosão.

Armas químicas dos terroristas

Assad também foi enfático ao comentar sobre o uso de armas na químicas na Síria e acusa – “Os terroristas têm armas químicas”. O presidente sírio disse que terroristas usaram materiais químicos “mais de uma vez e em mais de uma região” na Síria.

Ele também acusou os EUA de terem obstruído uma investigação da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) naquele famoso e suspeito ataque químico na Síria, ocorrido no dia 4 de abril, onde os Estados Unidos e aliados culparam o governo de Damasco.

18156027_1136312529814135_6520251298549749225_o

COMPRE AQUI – https://pag.ae/bjjV2HD “Lanterna na proa – Roberto Campos Ano 100”, org. Ives Gandra / Paulo Rabello 

Pelo menos 87 pessoas foram mortas no suposto ataque a gás na cidade de Khan Shaykhun, na província de Idlib, na Síria. Damasco disse que o incidente foi uma “fabricação” para justificar o subsequente ataque com mísseis dos EUA no aeroporto de Shayrat, na província de Homs.

“Nós ainda insistimos em uma investigação, e nós e nossos aliados russos e iranianos estamos tentando persuadir a OPCW a enviar uma equipe para investigar o que aconteceu, porque caso contrário, os Estados Unidos podem repetir a mesma charada, fabricando o uso de falsas armas químicas em outro lugar na Síria, a fim de justificar a intervenção militar em apoio aos terroristas”, destrinchou Assad.

EUA mentiras sobre a Síria possuindo armas químicas

Além disso, o presidente sírio rejeitou as afirmações do Pentágono de que a Síria tinha armas químicas, dizendo que os americanos mentiam por terem seus próprios interesses.

“Isto é o que caracteriza os políticos americanos: eles mentem diariamente, e dizem algo mas fazem diferente. É por isso que não devemos acreditar no que o Pentágono, ou qualquer outra instituição americana diz, porque dizem coisas que servem às suas políticas, não coisas que refletem a realidade e os fatos no terreno”, declarou Bashar al-Assad.

O presidente da Síria também enfatizou que o Ocidente diferencia os chamados terroristas moderados e extremistas apenas baseado em quais deles agem a favor de sua própria agenda política e quais não.

“Para os Estados Unidos, todos aqueles que servem a sua agenda política contra outros estados são classificados como oposição moderada e não como extremistas e terroristas, mesmo se cometerem os piores atos de terrorismo”, cravou o presidente sírio.

Questionado sobre a iniciativa da Síria de pôr fim ao conflito que assola o país, Assad disse que Damasco segue os caminhos políticos e de combate.

“Dissemos que há dois eixos: o primeiro é lutar contra os terroristas. O outro eixo, o político, inclui dois pontos: primeiro, o diálogo com as diferentes forças políticas, sobre o futuro da Síria. E, segundo, reconciliações locais”, finalizou.

Referência:

Press TV

Standard
Sociedade

Não é piada! Jornal mais popular da Suécia sugere proibir carros para combater terrorismo

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

jornal sueco

Não é piada, nem notícia do Sensacionalista – o jornal mais popular da Suécia, o Aftonbladet, sugeriu que carros sejam proibidos em algumas cidades e grandes centros do país, após o atentando da última sexta (7) em Estocolmo que matou 4 pessoas – dois suecos, um britânico e um belga.

A matéria assinada por Eva Franchell – que prega o estatuto do descarramento – já diz no primeiro parágrafo que “carros se transformaram em armas mortais. Eles andam sendo fáceis de roubar e, em seguida, nada é capaz de parar seu avanço”.

O texto ainda cita atentados em outros países onde carros foram os meios usados para a prática do terrorismo –  “Em Nice, Berlim, Jerusalém, Londres e Estocolmo, eles têm sido usados como máquinas eficazes de assassinato, pelos terroristas que desejam matar muitas pessoas”, observa o texto do jornal.

Interessante é que em nenhum momento a jornalista sueca citou os responsáveis por conduzirem os veículos que foram usados nos atentados e seus perfis, interesses e como eles entraram na Suécia.

Então, a conclusão “genial” que a jornalista Eva Francell chegou é que, “se as pessoas no futuro querem proteção, os carros devem simplesmente ser removidos dos locais onde as pessoas se reúnem e dos centros das cidades” – pois – “não é razoável que um grande caminhão seja conduzido diretamente para uma das ruas mais movimentadas de Estocolmo, numa tarde de sexta-feira, antes da Páscoa.”

Francell descreveu como “incrível” ser possível dirigir ao redor da parte medieval da capital sueca e sugeriu a mudança das entregas de lojas e restaurantes para horários onde as pessoas não estejam nas ruas.

“A maioria dos problemas com mobilidade e transporte público podem ser resolvidos com as entregas de lojas e restaurantes acontecendo nos momentos em que as pessoas não estejam nas ruas”, afirmou com seriedade.

A tolice da proposta consiste em uma questão muito simples: caso você remova um meio, uma ferramenta, usada por terroristas, eles criarão ou usarão outras, pois o plano não muda jamais, os meios, sim, podem mudar e serem adaptados a situação. Quem não tem carro mata com…

Para ministra do Meio Ambiente diminuição de carros é questão de gênero

sweden-government-640x480-640x394

De acordo com a ministra do Meio Ambiente da Suécia, Karolina Skog, carros são conduzidos em sua maioria por homens e isso é uma forma deles tomarem espaço das mulheres.

“Os carros são conduzidos em grande parte por homens, dando muito espaço aos carros, estamos dando muito espaço aos homens – às custas das mulheres”, disse a autoridade do meio ambiente da Suécia.

A decadência sueca está a vista para que o mundo possa ver. O exemplo sociológico de como uma civilização pode ser arruinada por distorções ideológicas implantadas por forças internacionais está diante de todos.

Referência:

Aftonbladet

Breitbart

Standard
Terrorismo

Terrorista de Londres visitou a Arábia Saudita três vezes antes do atentado

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

A embaixada da Arábia Saudita no Reino Unido confirmou que o terrorista que matou 4 pessoas em Londres, na última quarta-feira (22), Khalid Masood visitou o reino saudita por três vezes, incluindo dois estágios onde ensinava inglês.

Segundo o jornal The Sun da Grã-Bretanha publicou na sexta-feira, o homem era um ex-professor de inglês que trabalhava na instituição que controla a aviação civil da Arábia Saudita.

Em resposta, a embaixada saudita emitiu uma declaração no final da sexta-feira confirmando a reportagem do The Sun.

“A Embaixada Real da Arábia Saudita deseja esclarecer que Khalid Masood esteve na Arábia Saudita de novembro de 2005 a novembro de 2006 e de abril de 2008 a abril de 2009, quando trabalhou como professor de inglês tendo obtido um visto de trabalho”, disse a embaixada em um comunicado.

“Em 2015, ele obteve um visto Umra através de um agente de viagens aprovado e esteve no Reino de 3 a 8 de março. Durante seu tempo na Arábia Saudita, Khalid Masood não apareceu no radar dos serviços de segurança e não tem registro criminal no Reino da Arábia Saudita”, completou o comunicado.

Além das quatro vítimas fatais, outras 50 ficaram feridas no ataque depois que o terrorista jogou  um carro nos pedestres e esfaqueou um policial perto do Parlamento britânico em Londres, um incidente que foi declarado um atentado terrorista. O autor dos ataques também foi morto a tiros pela polícia.

A embaixada saudita expressou suas condolências ao povo britânico, dizendo que o reino “continua junto ao Reino Unido durante este momento difícil e reafirma seu compromisso de continuar seu trabalho com o Reino Unido para ajudar na investigação em curso”.

A embaixada prosseguiu dizendo que o “ataque em Londres esta semana demonstrou novamente a importância dos esforços internacionais para enfrentar e erradicar o terrorismo. Nesse momento, nossa cooperação na segurança é crucial para a derrota do terrorismo e a salvação de vidas inocentes”, afirmou.

Sauditas e aliados estão por trás de grupos terroristas na Síria e Iêmen

wahhabi

Vale lembrar que a Arábia Saudita, onde o wahhabismo é amplamente pregado e praticado, é uma das patrocinadoras dos grupos terroristas, como Daesh (Estado Islâmico), em toda a região do Oriente Médio. Os sauditas e seus aliados como Israel, Estados Unidos e o próprio Reino Unido, já tiveram armas, mantimentos e até mesmo oficiais do exército flagrados nas áreas de atuação do Estado Islâmico na Síria.

O Daesh e outros grupos terroristas Takfiri usam a mesma ideologia sunita extremista, também adotada pela teocracia saudita, para declarar pessoas de outras religiões e até mesmo outros islâmicos como “infiéis” e assim matá-los.

A vertente islâmica do wahhabismo foi criada por Muhammad ibn ʿAbd al-Wahhab e começou a ganhar força após o pacto feito por seu criador com o líder Muhammad ibn Saud –  cujo sobrenome batizou o país. A criação da Arábia Saudita contou com a ajuda do Reino Unido e com a dos mesmos banqueiros que também patrocinariam a instalação de Israel na Palestina. Os sauditas eram financiados pelos britânicos a fim de enfraquecer o então império otomano que dominava a região.

Voltando a história recente, é importante citar que quinze dos 19 sequestradores que supostamente realizaram os ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos vieram da Arábia Saudita e as evidências disponíveis sugerem que alguns deles estavam ligados a altos funcionários sauditas.

Além disso, a Arábia Saudita envolveu-se em uma campanha militar contra o Iêmen desde março de 2015 para restabelecer o presidente deposto do país, Abd Rabbuh Mansur Hadi, um aliado incondicional de Riade, e minar o movimento Houthi Ansarullah.

A guerra perpetrada pela Arábia Saudita no Iêmen matou mais de 11.400 civis e causou um grande prejuízo às instalações e infraestrutura do país, destruindo muitos hospitais, escolas e fábricas.

Na Síria, o regime saudita, junto com seus aliados, tem patrocinado terroristas que lutam contra o governo do presidente Bashar al-Assad desde 2011 em um conflito que ceifou a vida de meio milhão de sírios.

Referência:

Press TV

 

Standard