Europa

“Nós levamos dinheiro dos judeus para dar aos pobres” – dizem refugiados após roubarem família judaica

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

Uma família de judeus foi roubada e espancada em sua própria casa, por três homens em Livry-Gargan, subúrbio no nordeste de Paris. O assalto ocorreu na noite da última quinta-feira (7).

De acordo com promotores de justiça locais os criminosos justificaram a ação dizendo as próprias vítimas que os judeus “têm dinheiro” e que iriam dar o dinheiro roubado “aos pobres”.

Ao ameaçar matá-los, os agressores, “provavelmente de origem africana”, disseram – “Você é judeu, você tem dinheiro. Nós levamos dinheiro dos judeus para dar aos pobres” – e então levaram joias, dinheiro e os cartões de crédito da família.

59b6580cfc7e93b5088b4567

Os três homens invadiram a casa de Roger Pinto, que é o presidente do grupo SIONA, com sede na França, que luta contra o anti-semitismo e defende os direitos dos judeus, de acordo com o Escritório Nacional de Vigilância contra o Anti-Semitismo (BNVCA).

Os suspeitos atacaram primeiro o filho e a esposa de Pinto, antes de se dirigirem ao chefe da família. Segundo as vítimas, um dos suspeitos tinha cerca de 30 anos, enquanto os outros dois tinham 20 anos.

De acordo com a mídia israelense, a família não alertou a polícia sobre o ataque até a manhã de sexta-feira. As vítimas foram levadas para o hospital.

“Minha esposa, meu filho, e eu fomos assaltados. Eu acho que [o ataque] foi planejado. [Os intrusos] prometeram “nos matar”, se não lhes oferecêssemos o que queriam”, revelou Roger Pinto ao canal I24NEWS.

Pinto afirmou que o que mais o atingiu foi quando sua esposa disse: “Não temos nada para lhe dar” e então os homens responderam, “se você é judeu, você tem muito dinheiro”.

O ministro francês do Interior, Gerard Collomb, expressou “indignação passada a agressão violenta cometida contra membros de uma família judaica”, afirmou no domingo uma noto do ministério. “A motivação por trás desse ato covarde parece estar diretamente relacionada à religião das vítimas”, acrescentou o comunicado.

O embaixador israelense na França, Aliza Bin Noun, também condenou o ataque.

“Este ato odioso é a prova, se necessário, de que os judeus da França estão particularmente ameaçados nas ruas e dentro de suas casas. Isso é muito preocupante”, disse Francis Kalifat, presidente do Conselho Representativo das Instituições Judaicas na França, em um comunicado. E completou que “após o atroz assassinato de Sarah Halimi em sua casa, essa nova agressão deve levar as autoridades do nosso país a uma maior vigilância e a sanções exemplares e dissuasivas”.

Sarah Halimi era uma mulher judaica de 65 anos que foi morta por um cidadão do Mali em Paris em abril. O homem, identificado como Kada Traore, gritou slogans religiosos ao assassinar a mulher.

Vale lembrar que inúmeros grupos judaicos apoiam as políticas de refugiados para a Europa, sendo o multiculturalismo para nações que não Israel, uma bandeira financiada por magnatas judeus. Estariam os goyim se vingando dos seguidores do Talmud?

Referência:

RT

Anúncios
Standard
Geopolítica

Emails revelam ligação entre ministro da Turquia – genro de Erdogan – e Estado Islâmico, diz Wikileaks

CURTA PANORAMA LIVRE NO FACEBOOK

Milhares de emails vazados provaram que o ministro de energia e recursos naturais da Turquia, Berat Albayrak – genro do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan – tem ligações e faz negócios no ramo petrolífero com o Estado Islâmico.

A Wikileaks divulgou cerca de 56 mil emails mostrando ligações e negociações de Berat Albayrak com a Powertrans, empresa petrolífera que detém o monopólio dos campos de petróleo, rodovias e ferrovias, das áreas controladas pela Estado Islâmico na parte curda do Iraque. Albayrak já negou no passado ter qualquer conexão com a Powertrans, mas os emails foram a comprovação que faltava.

13950919000446_test_photoi

A Powertrans têm sido constantemente acusada de facilitar o escoamento de petróleo, proveniente do Estado Islâmico, vindo dos campos do Iraque para a Turquia.

Julian Assange, fundador da Wikileaks, justificou o vazamento dos emails citando à repressão de Erdogan contra a mídia – “O povo da Turquia precisa de uma mídia livre e uma internet gratuita. Os esforços de contra-golpe do governo foram bem além de seu propósito de proteger o estado e agora são usados principalmente para roubar ativos e eliminar críticos”, disse Assange.

Berat Albayrak, além de genro de Erdoğan, é um dos indivíduos mais poderosos da Turquia e é visto como alguém que está sendo preparado para ser o sucessor de Erdogan. O presidente linha dura tem consolidado seu controle do poder através da implementação de medidas de emergência ao prender milhares de jornalistas, ativistas e acadêmicos na esteira de um fracassado golpe militar que foi tentado em julho.

Acusações da ligação entre Turquia e Estado Islâmica é antiga

Vale lembrar que em 2014, a repórter da do canal iraniano Press TV, Serena Shim, morreu em um acidente suspeito na fronteira da Síria com a Turquia, dias após registra em vídeo o exército turco facilitando a entrega de armas e mantimentos aos terroristas do Estado Islâmico.

Já em dezembro de 2015, fontes próximas ao Estado Islâmico confirmaram que Ankara fornece aos terroristas armas e munições por meio de corredores no Qatar, sendo que também o petróleo vendido pelos terroristas para a Turquia segue pelo mesmo canal.

“O Estado Islâmico vende regularmente petróleo cru iraquiano e sírio para a Turquia através de intermediários no Qatar”, disse o jornal Al-Akhbar, de língua árabe, citando fontes anônimas dentro do Estado Islâmico.

As fontes reiteraram que a Turquia também vendeu parte do petróleo que comprou do Estado Islâmico por um preço bem barato para alguns países do Leste Europeu.

Também em 2015, o ex-deputado do maior partido da oposição da Turquia, Mehmet Ali Ediboglu, citou que os negócios da família Erdogan giravam em torno de comercializar ilegalmente petróleo com o Estado Islâmico, em entrevista concedida ao Sputnik (clique aqui). O entrevistado sublinhou especialmente que o petróleo proveniente da Turquia chega a Israel, de onde é distribuído para mundo – da região turca de Ceyhan, o petróleo segue para Israel, EUA, Itália, França, Alemanha e Holanda.

Mehmet Ali Ediboglu pontuou também que não só os terroristas do Estado Islâmico praticam esta atividade criminosa, mas também a oposição armada síria (conhecidos como rebeldes moderados) e a Frente al-Nusra, afiliada da Al-Qaeda.

“A única via usada pelos vários grupos terroristas para fornecer o petróleo ao mercado internacional passa pela Turquia”, expôs o deputado.

Por fim, os emails também ofereceram a oportunidade de se observar a estreita relação entre o Sr. Albayrak e Mehmet Ali Yalcindag, este último parceiro de negócios do novo presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

Referências:

Fars News Agency

The Independent 

 

 

Standard
Geopolítica

Japão enviou 331 quilos de plutônio aos Estados Unidos – o suficiente para 50 bombas atômicas

Um navio com 331 quilos de plutônio saiu do Japão com destino aos Estados Unidos. A carga, que deixou o porto da Prefeitura de Ibaraki, tem plutônio o suficiente para a construção de até 50 bombas nucleares.

japan-plutonium-shipment

O material nuclear está sendo transportado por uma embarcação britânica fortemente armada, operada pela Pacific Transportes Nuclear. Sua rota exata foi, obviamente, mantida em segredo por razões de segurança. A pureza de plutônio é tão elevada que o material pode facilmente ser usado para fazer armas nucleares avançadas.

Dois navios, equipados com canhões navais e com outros aparatos de proteção sofisticados, ambos de bandeira britânica, tinham chegado anteriormente a vila costeira de Tokai no Japão.

A transferência de plutônio para o navio levou várias horas, informou a emissora de notícias estatal do Japão, NHK. A remessa de plutônio enviada foi majoritariamente comprada pelo Reino Unido e uma menor parte pelos EUA e pela França. O destino final da carga será a base de Savannah River na Carolina do Sul – que trata-se de um complexo onde se encontram várias das armas nucleares dos Estados Unidos.

A versão oficial diz que o embarque faz parte do acordo de combate ao terrorismo entre o Japão e os EUA realizado em 2014, durante uma cúpula nuclear. A medida visaria aliviar as preocupações com o grande estoque de plutônio do Japão.

O Japão possui cerca de 47 toneladas de plutônio, o suficiente para produzir até 6.000 bombas atômicas.

Tokyo comprava plutônio do Ocidente na década de 1970 para fazer pesquisas nucleares e mais adiante chegou a criar o material por reprocessamento de combustível irradiado a partir de instalações de energia. No entanto, com exceção de duas usinas nucleares, todos os reatores usados no passado foram fechados após o desastre nuclear de Fukushima em 2011.

Nem as autoridades japonesas, nem a embaixada dos EUA em Tóquio comentaram oficialmente sobre o transporte por conta da sensibilidade que cerca o assunto.

Referência:

International Business Time

Standard
Terrorismo

Vocalista do Eagles of Death Metal sugere que seguranças sabiam dos atentados de Paris

O vocalista do Eagles of Death Metal, Jessie Hughes, fez declarações fora do comum para a Fox Business Network. Ele deixou no ar que os responsáveis pela segurança do Bataclan Theater sabiam do ataque terrorista que viria a ocorrer.

jesse_hughes_3575207b

Jessie Hughes, acostumado com muitos shows, disse que achou estranho naquela noite o comportamento do segurança que vigiava o acesso para a área de bastidores. Segundo o vocalista, o segurança não fez contato visual com ele.

“Quando cheguei ao local e entrei, eu passei pelo cara que seria o segurança para os bastidores. Eu fui imediatamente ao promotor (do evento) e disse: ‘Quem é esse cara? Eu quero colocar um outro cara aqui'” – a resposta do promotor foi simples e direta – “‘Bem, alguns dos outros guardas não estão aqui ainda'” – então Jessie Hughes concluiu para o entrevistador -“Eventualmente, eu descobri que seis (seguranças) ou coisa assim não iriam aparecer na verdade”, explicou Hughes.

Embora o vocalista do Eagles of Death Metal tenha se recusado a especular o porquê das atitudes estranhas, “em respeito a investigação policial”, ele concluiu – “Parece bastante óbvio que eles tinham uma razão para não aparecerem.”, foi ao ponto Jessie Hughes.

No atentado sofrido durante o show da banda, em 13 de Novembro de 2015, 89 pessoas morreram – incluindo o gerente de mercadorias da banda, Nick Alexander – enquanto outras 200 ficaram feridas.

Após o ataque e uma breve pausa, a banda norte-americana voltou para completar sua turnê européia no mês passado, embora tenham cancelado recentemente devido a uma lesão.

Referência:

D.C. Clothesline

Standard