Sionismo

Israel não quer vitória do regime Assad e pede mais apoio aos terroristas

O governo de Israel está preocupado com uma vitória do regime Assad na Síria. Para os líderes israelenses uma vitória de Bashar Al-Assad seria uma vitória dos seus aliados – e inimigos de Israel – Irã e Hezbollah, segundo artigo do portal israelense Haaretz.

O subtítulo do artigo expõe: “A intervenção russa tem pendido a balança, e Jerusalém está preocupada com uma vitória do regime (Assad), o que bem seria uma vitória do Irã. Para evitar isso, as autoridades israelenses acreditam que o Ocidente deve intervir em favor dos rebeldes moderados (terroristas).”

Este apelo claro para que os países ocidentais ajudem os terroristas que estão na Síria revelam muito sobre o estado sionista que busca perpetuar o conflito e aproveitar um vácuo que seria deixado com a balcanização da Síria para aumentar seu próprio território, construindo assim a tão sonhada Grande Israel, um território que iria do rio Nilo ao Eufrates.

warm-up-the-iron-strike-it-cool-it-down-and-_51af920367456620ed912b8d4536dca2

Além da vitória Síria significar o adiamento do sonho da Grande Israel outros pontos levantados pelo artigo são que uma vitória de Assad significaria também uma vitória dos seus aliados Irã e Hezbollah. Em segundo lugar, apesar dos fortes ​​bombardeios russos e confrontos internos em suas fileiras, a oposição síria (terrorista) está longe de ser vencida, dando ainda esperança para uma reabilitação que pode vir com ajuda dos aliados de Israel e por fim que o Ocidente deve despertar da sua passividade e tente enviar de fato uma ajudar militar para – o que as autoridades israelenses descrevem como uma espécie de terceira força – os rebeldes sunitas menos extremistas e para as milícias curdas, para que eles, também fiquem contra o regime, bem como contra o Estado Islâmico.

Lembrando que a Rússia já cooptou os curdos para lutarem ao seu lado e inclusive os ajudam com armamento, como mostrou o Panorama Livre, em 26 de janeiro.

Sobre os rebeldes sunitas “menos extremistas”, esses estão atualmente escondidos em Aleppo que é reduto do Estado Islâmico. Israel tenta de uma maneira discreta e falha pedir ajuda para que os terroristas financiados pelo ocidente recebam uma ajuda de exércitos nacionais – algo que pode ocorrer por exemplo caso Turquia e Arábia Saudita invadam a Síria.

Em outubro de 2015, o presidente russo Vladimir Putin mandou um recado aos aliados de Israel perguntando a seus líderes se eles sabiam diferenciar um rebelde moderado de um não-moderado.

Naturalmente, nada disto é novo. Em dezembro, o ministro da defesa de Israel, Moshe Ya’alon, não escondeu quem Israel apoia na Síria – “Parece-me, que nós, Israel, estamos no mesmo campo dos sunitas”.

E não vamos esquecer outra famosa pérola de Moshe Ya’alon: “Na Síria, o Estado Islâmico é preferível ao Irã”.

Outra declaração que reforça o desejo israelense de perpetuar a guerra na Síria foi dada pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu ao afirmar dia 22 de janeiro, em Davos – Suíça, que a solução mais benigna para a Síria seria a sua balcanização.

Referência:

Russia Insider

Advertisements
Standard

3 thoughts on “Israel não quer vitória do regime Assad e pede mais apoio aos terroristas

    • O Talmud é uma distorção do pentateuco. Eu diria que eles não andam se importando muito com o que Gênesis diz de fato. Eles estudam a Cabala e reinterpretam a lei a seu bel prazer. Basicamente o Talmud é um conjunto de interpretações rabínicas da velha lei.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s