Saúde

Zika vírus é propriedade da família Rockefeller

img_20160129_224048

O Zika vírus, que começou assustando os brasileiros e agora já roda o mundo, é propriedade da Fundação Rockefeller, que provavelmente ajudou na sua criação. O fato pode ser constatado no site da ATCC – entidade que trabalha na “aquisição, autenticação, produção , preservação , desenvolvimento e distribuição de microrganismos, com padrão de referência, linhas celulares e outros materiais.”, como eles mesmos se descrevem.

O mais interessante é que o Zika vírus está a venda por 599 dólares e o nome do depositário é “J. Casals, Rockefeller Foundation”. Outro fato que chama atenção é que a data de origem do Zika Vírus é o ano de 1947. Eis o link da página do órgão que comercializa o Zika vírus: http://www.lgcstandards-atcc.org/products/all/VR-84.aspx?geo_country=es#history 

Origem do foco do Zika vírus recebeu mosquitos geneticamente modificados

A entidade britânica Oxitec revelou que tinha uma fazenda de mosquitos geneticamente modificados no Brasil, em julho de 2012. Tudo isso com o objetivo de reduzir “a incidência de dengue”, como o portal The Disease Daily relatou. A dengue é transmitida pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti, que também espalham o vírus Zika – embora eles “não possam voar mais de 400 metros, podem inadvertidamente ser transportadas por seres humanos a partir de um lugar para outro. ” Em julho de 2015, pouco tempo depois os mosquitos geneticamente modificados foram os primeiros liberados para a vida selvagem em Juazeiro do Norte, no Ceará, como anunciado orgulhosamente pela Oxitec afirmando ter “controlado com sucesso o mosquito Aedes aegypti, que espalha a dengue, a chikungunya e o Zika vírus, através da redução da população do mosquito em mais de 90 %. ” Embora isso possa soar como um sucesso estrondoso – e , sem dúvida , era – há duas possibilidades alarmantes a se considerar: o tiro pode ter saído pela culatra ou isso foi proposital visando interesses espúrios, visto que a Fundação Rockefeller é grande defensora do neomalthusianismo que prega a diminuição populacional, principalmente nos países ditos “em desenvolvimento” como é qualificado o Brasil.

zika-virus-21

Pesquisadores de armas biológicas dos EUA estiveram no epicentro do Ebola em 2014 

Além dos britânicos usarem o Brasil para fazerem seus experimentos com mosquitos geneticamente modificados, há também o caso de pesquisadores americanos na África. Mais precisamente tratavam-se de pesquisadores da Universidade de Tulane a serviço do Instituto de Pesquisa Médica do Exército de Doenças Infecciosas dos EUA, localizado no Fort. Dietrich.

Em comunicados a Universidade de Tulane afirmou, primeiro em 2007 que recebera 3,8 milhões de dólares “concedidos pelos Institutos Nacionais de Saúde, que envolviam trabalho pela Corgenix em colaboração com a Universidade de Tulane, do Instituto de Pesquisa Médica do Exército de Doenças Infecciosas dos EUA, BioFactura Inc. e auto-imunes Technologies.”

“Os relatórios clínicos dos estudos em Serra Leoa continuam a mostrar resultados surpreendentes”, segundo Robert Garry, professor de microbiologia e imunologia na Faculdade de Medicina da Universidade de Tulane e investigador principal da subvenção.

“Acreditamos que esta colaboração notável resultará em produtos de detecção que irão realmente ter um impacto significativo na saúde da África Ocidental, mas também irá preencher uma lacuna necessária na defesa contra o bioterrorismo.”, completa o professor revelando que haviam mais interesses um pouco além da saúde do povo africano.

fort-dietrick-biogerms

Já em 12 de outubro de 2012, outro comunicado revelava:

“Em 2009, pesquisadores receberam um subsídio de cinco anos de U$7,073,538 do Instituto Nacional de Saúde para financiar o desenvolvimento contínuo de kits de detecção da febre hemorrágica viral de Lassa. Desde então, muito tem sido feito para estudar a doença. Dr. Robert Garry, Professor de Microbiologia e Imunologia, e Dr. James Robinson, Professor de Pediatria, foram envolvidos na investigação da febre de Lassa. Juntos, os dois têm recentemente sido capazes de criar o que são chamados de anticorpos monoclonais humanos. Depois de isolar as células B de pacientes que sobreviveram à doença, eles utilizaram métodos de clonagem molecular para isolar os anticorpos e reproduzi-las no laboratório. Estes anticorpos foram testados em cobaias no The University of Texas Medical Branch em Galveston e mostraram que ajudam a impedi-los de morrerem de febre de Lassa. Mais recentemente, uma nova febre de Lassa Ward está sendo feita no Hospital Governo Kenema de Serra Leoa. Ao terminar, ele (o hospital) estará melhor equipado para ajudar os pacientes afetados pela doença e esperamos ajudar a acabar com a propagação da mesma.” OBS: O Hospital Kenema foi um dos centros do surto de Ebola em 2014.

Por fim, mas não menos esquisito foi o Ministério da Saúde e Saneamento de Serra Leoa pedir em sua página do Facebook, em 23 de julho de 2014, para que a Universidade de Tulane parasse os testes com Ebola, enquanto o surto estivesse ocorrendo.  Para ver postagem do  Ministério da Saúde e Saneamento de Serra Leoa, clique aqui.

Serra Leoa

Vale lembrar que a patente do vírus Ebola pertence ao Governo dos Estados Unidos, como pode ser checado no aplicativo do Google dedicado a patentes: http://www.google.com/patents/US20120251502 Não satisfeito acessando o link, ainda pode-se descobrir que o Ebola foi inventado, com direito aos nomes dos inventores: Jonathan S. Towner, Stuart T. Nichol, James A. Comer, Thomas G. Ksiazek, Pierre E. Rollin.

Todo esse envolvimento – dos aparatos anglo-americanos com surtos epidêmicos – já deixa claro que os plutocratas como Rothschild, Rockefeller e outras famílias do eixo Londre-Washington-Tel Aviv investem pesado em armas biológicas e parecem não ter pudor algum em testá-las naquilo que convencionou-se chamar terceiro mundo. Usar índios e florestas contra o desenvolvimento de países do hemisfério sul parece não ser a prática mais maligna dessa gente.

Referências: Crônicas Subterrâneas Anti Media D.C. Clothesline IntellHub Caminho Alternativo

Anúncios
Standard
Geopolítica, Sociedade

Irã teria feito imagens de porta-aviões dos EUA no golfo pérsico

Uma oficial da marinha americana confirmou, nesta sexta, que um drone iraniano sobrevoou o porta-aviões dos Estados Unidos, no golfo pérsico, no começo deste mês. A confirmação veio horas depois da mídia iraniana divulgar imagens, que segundo os iranianos, são de um porta-aviões americano e que teriam sido feitas por um drone de Teerã.

irantrumanscreengrabdrone-e1454097489690

A tenente-comandante da marinha Nicole Schwegman, confirmou que o fato ocorreu no dia 12 de janeiro onde um drone desarmado sobrevoou a U.S.S. Harry S. Truman no que foi descrito como um movimento “anormal e pouco profissional”. Ela não foi capaz de confirmar se o incidente do dia 12 é o mesmo registrado e transmitido pela mídia iraniana.

“O UAV (veículo aéreo não tripulado) estava desarmado e não representava nenhum risco para as operações de voo da transportadora.”, completou Nicole Schwegman.

Schwegman afirma que o drone inicialmente sobrevoou o transportador francês Charles de Gaulle, em seguida, passou para o Truman. O sobrevoo teve lugar no mesmo dia em que 10 marinheiros dos EUA foram detidos pelo Irã na área do Golfo Pérsico, ocorrência que, segundo alguns especialistas, se tratava de um ataque de falsa-bandeira que Israel e Estado Unidos estariam executando para culpar o Irã e que teria sido impedido pela força aérea russa, como foi reportado pelo Panorama Livre.

Além das filmagens do drone, um submarino da classe Qadir iraniano foi enviado em uma “missão de coleta de informações de inteligência ” sobre um transportador americano que os iranianos não disseram o nome.

As afirmações da mídia iraniana dão conta que a Marinha do Irã realizava exercícios e os jogos de guerra ‘Velayat’, na área do golfo Pérsico. O noticiário Fars afirmou, quarta-feira, que o Irã enviou advertências a um navio dos EUA que operava perto dos jogos de guerra e que o navio supostamente teria se afastado. Um porta-voz da Marinha americana, desde então, refutou as alegações de que as operações navais dos EUA foram alteradas em decorrência do exercício.

Referência: Daily Caller

Standard
Saúde, Sociedade

Vacinas são suspensas no Reino Unido após crianças desmaiarem

Uma investigação foi aberta em Northampton – Reino Unido –  após crianças que receberam vacinas, em uma escola local, terem passado mal e até desmaiado devido a administração das doses, na última terça-feira (26).

Os efeitos colaterais levaram ao desmaio entre 10 e 15 crianças e que tomaram uma série de doses de vacinas.

Uma mãe, que preferiu permanecer anônima, descreveu – “Várias vacinas diferentes estavam sendo administrados, e em torno de 10 a 15 alunos tombaram e os paramédicos foram chamados”

“O resto das doses foram canceladas e uma carta foi enviada para casa dos pais de alunos que receberam as vacinas, explicando sobre o que fazer se eles sentissem náuseas. Rumores dizem que pode ter sido um lote de vacinas duff “, disse a mãe, de acordo com o Daily Mail.

Pelo menos uma criança foi enviada para o atendimento de emergência como medida de precaução, mas foi “posteriormente liberada sem maiores efeitos”, como relata uma carta enviada aos pais.

A carta culpou “circunstâncias imprevistas” para as complicações, e aconselhou os pais a monitorarem a saúde de seus filhos, especificamente à procura de sinais de tontura, náuseas ou erupção cutânea.

A carta

SUNNEWS_NTI_SCHOOL_2659447a

“Querido Pai / Encarregado da Educação, informamos que a sessão de imunização que seu filho assistiu hoje foi suspensa devido a circunstâncias imprevistas. Algumas das crianças vacinadas se sentiram mal logo após a vacinação. Seu filho recebeu sua vacinação agendada e, por enquanto, não estamos esperando que ele se sinta mal, estamos aconselhando que caso ele experimente sensações de tontura, náuseas, erupções cutâneas ou dificuldades respiratórias, procurar o conselho médico apropriado. Funcionários de saúde pública do Reino Unido responderam que as doenças que se seguiram a administração das vacinas Meningite ACWY foram um “incidente isolado” e não o resultado de um mau lote, indicando que nenhuma investigação adicional é necessária e que o programa de vacinação continuará em uma data posterior.”

Uma mensagem divulgada pela Northamptonshire Healthcare Foundation Trust, em um outro comunicado reiterou que, “a Saúde Pública da Inglaterra está satisfeita e este é um incidente isolado e não está relacionado a um problema de lote das vacinas. A esquipe de enfermagem da escola NHFT contatou todos os pais / encarregados de educação para informá-los da situação, fornecendo garantias das medidas tomadas e que o programa de vacinação será realocado no devido tempo.”

Casos passados

Conforme relatado pelo Infowars ano passado, no mês de Abril, um programa de vacina meningocócica em todo o Reino Unido foi lançado, visando especificamente as crianças e tudo isso apesar das inserções das vacinas que advertiam: “A segurança e a eficácia não foram estabelecidas em crianças menores de 10 anos de idade.”

Vale dizer que os efeitos colaterais e inclusive até mortes foram relatadas para o órgão “Sistema de Relatórios de Eventos Adversos a Vacinas” sobre vacinas anti-meningocócicas produzidas para os serotipos A, C, Y e W-135.

Já o Centro Nacional de Informações de Vacinas relata:

Em 30 de setembro de 2015, o Sistema de Relatórios de Eventos Adversos a Vacinas, que inclui apenas uma pequena fração dos problemas de saúde que ocorrem após a vacinação nos EUA, havia registrado mais de 1.846 problemas sérios de saúde, internações e lesões após doses meningocócicas, incluindo 99 mortes com cerca de 34% das mortes ocorrendo em crianças menores de seis anos de idade.

Referência: Black Listed News

Standard
Geopolítica

Coreia do Norte estaria preparando lançamento de míssil de longo alcance

Imagens de satélites do Japão indicam que a Coreia do Norte está se preparando para lançar um míssil de longo alcance. As imagens foram feitas de Tongchang-ri, local usado pelos nortes-coreanos para testes de misseis, na costa ocidental. a agência de notícias japonesa Kyodo informou nesta quinta-feira, que a informação veio de um funcionário não identificado do governo japonês.

map-north-korea-missile-sit

O Vice-Chefe de Gabinete, o secretário Koichi Hagiuda, do Japão, em entrevista coletiva dada também nesta quinta-feira, disse que seu governo vai continuar a cooperar com os Estados Unidos e com a Coreia do Sul para convencer a Coreia do Norte de se abster do que chamou de “ações provocativas” e cumprir as resoluções da ONU.

“O Japão está sempre coletando e analisando informações sobre os movimentos relativos a mísseis da Coreia do Norte com grande interesse “, revelou Haguida.

A fonte do governo japonês disse que um lançamento do míssil poderia ocorrer em cerca de uma semana, no mínimo, mas não forneceu outros detalhes sobre as analises das imagens de satélite.

O relatório surge em meio as discussões entre os membros do Conselho de Segurança da ONU para novas sanções contra Pyongyang depois que a Coreia do Norte realizou seu quarto teste nuclear dia 6 de janeiro deste ano. Lembrando que a Coreia do Norte já está sob sanções por seus programas nucleares e de mísseis.

O porta-voz sul-coreano do Ministério da Defesa, Kim Min-Seok, disse que as autoridades estavam de guarda para quaisquer mudanças no comportamento da Coréia do Norte.

“No passado, a Coreia do Norte sempre disparava um míssil de longo alcance após um teste nuclear. Mas como isso não aconteceu. Desta vez, estamos preocupados sobre o fato deles poderem lançar um depois”, pontuou Kim Min-Seok.

Kim também ressaltou que Pyongyang costumava notificar a China e os EUA antes da realização de testes nucleares, embora desta vez não tenha feito isso.

“Acreditamos que a Coreia do Norte poderia lançar, de surpresa, graves provocações – sem aviso prévio – a partir de agora”, finalizou Kim.

A preparação de um possível lançamento de um míssil também veio depois da Coréia do Norte ter dito que realizou um teste de mísseis balísticos lançados por submarinos em dezembro.

Enquanto isso o Secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, e o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, concordaram em Pequim na quarta-feira sobre a necessidade de uma nova resolução significativa de Segurança da ONU contra a Coreia do Norte, mas havia poucos sinais de progresso concreto.

A Coreia do Norte disse no dia 6 de janeiro, que explodiu uma bomba de hidrogênio, apesar dos Estados Unidos, outros governos e especialistas terem expressado seu ceticismo sobre o país ter feito tal avanço tecnológico.

O último lançamento realizado pela Coreia do Norte de um foguete de longo alcance foi no final de 2012 e colocou um objeto com sucesso em órbita no que os especialistas acreditam ser parte de um esforço norte-coreano para construir um míssil balístico intercontinental (ICBM – sigla em inglês).

A Coreia do Norte também é vista tentando em seus trabalhos miniaturizar uma ogiva nuclear para acoplar em um míssil, mas muitos especialistas dizem que Pyongyang está longe de aperfeiçoar tal tecnologia.

Standard
Geopolítica

General do exército sueco alerta para guerra mundial em poucos anos

A Suécia não luta uma guerra há mais de 200 anos, mas em breve isso mudará de acordo com um documento interno do exército sueco enviado a soldados e funcionários públicos que se envolveram em uma manobra militar.

dsc2950_ok-900

O chefe do Exército sueco General Anders Brännström disse aos homens sob o seu comando que eles poderiam esperar pois “em poucos anos” eles estarão lutando uma guerra na Europa contra adversários qualificados.

Além dos soldados, o livreto contendo a dura advertência também foi dado aos funcionários públicos, políticos e convidados que participam de manobras anuais e demonstrações de exercícios militares que ocorrem na próxima semana.

Ao discutir o novo orçamento militar, aprovado ano passado, pelo governo sueco para o período de 2016-2020, o General Anders Brännström afirmou que há uma exigência para que a Suécia aprimore sua capacidade de defesa.

“A exigência que nós temos de atingir a capacidade para combate armado contra um adversário qualificado está claro, e isso no contexto objetivo de criar uma linha de frente contra ataques militares (externos) e defender a Suécia. O ambiente global que estamos vivendo demonstra, por decisões estratégicas (tomadas por políticos), e nos leva a conclusão que podemos estar em guerra em alguns anos”, explicou Anders Brännström.

O general acrescentou que as manobras, que este ano focam na capacidade do exército sueco de lutar e sobreviver em uma guerra de inverno, devem ser realizadas com esta situação de segurança (defesa nacional) em mente.

Falando para o tabloide mais popular da Suécia, o General comentou que a imagem de deterioração na segurança da Europa foi o principal fator que motivou o seu aviso, indicando que a realização de campanhas militares pelo Estado Islâmico na Europa e a instabilidade da Ucrânia poderiam levar a um conflito. Ele sugeriu que uma Terceira Guerra Mundial está bem próxima.

“Pode-se traçar paralelos com a década de 1930. A grande incerteza e dinâmicas (politicas) que então levaram (o mundo) a uma grande guerra. Nesse tempo conseguimos (a Suécia) ficar de fora. Mas não é de todo certo que poderíamos ter sucesso desta vez “, expôs o General sueco.

A Suécia foi politicamente neutra durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto todos os seus vizinhos foram invadidos ou caíram sob a influência política ou do Terceiro Reich ou da União Soviética.

É incomum uma figura militar sênior que ainda está servindo, muito menos o chefe de um exército profissional, falar sobre tais assuntos políticos na Europa. No entanto, esses comentários não são apenas opinião do general, como o mesmo acrescentou, já que seus colegas mais velhos todos têm os mesmos pensamentos.

“Esta é uma posição grave partilhada por muitos. Esta é uma situação completamente diferente da que tínhamos há dez anos. Existe agora um foco muito forte em defesa nacional … Estão se preparando para o pior”.

O portal Breitbart Londres entrevistou o chefe que recentemente se aposentou do Ministério do Desenvolvimento Defesa, Centro de Conceitos e Doutrina, ano passado no Reino Unido, e reportou suas crenças de que grupos terroristas islâmicos iriam começar a lançar ataques terroristas na costa do sul da Europa por meio de barcos. O contra-almirante Parry RN disse ao Breitbart Londres que os islâmicos poderiam seguir o exemplo dado pelos ataques mortais de Mumbai, em 2008, que viu comandos islâmicos desembarcarem de barcos rápidos, invadindo a cidade para então matarem 150 pessoas.

O almirante disse: “Em breve estaremos enfrentando ataques executados em partes remotas da Europa, como Malta e as ilhas gregas”.

Referência: Breibart

Standard
Síria

Rússia está armando os curdos contra o Estado Islâmico

O ministro do exterior da Rússia, Sergey Lavrov, anunciou nesta terça-feira, por meio de uma coletiva de impressa, que o fornecimento de armas russas para os curdos foi feito de maneira oficial através do governo iraquiano em Bagdá.

Segundo o ministro Lavrov, a Rússia levou em conta o fato de que desde o surgimento da ameaça do Estado Islâmico, tanto o exército iraquiano quanto milicias curdas estavam juntas lutando contra os avanços dos terroristas.

“Levamos em conta também as necessidades dos Curdos quando entregamos nossas armas para o Iraque, mas estas fontes (de distribuição de armas) são feitas através do governo central, através de Bagdá”, revelou Lavrov.

“Nós respeitamos plenamente a soberania e a integridade territorial do Iraque”, completou o ministro do exterior.

Ele também falou que a decisão de incluir os curdos nas conversações sobre as questões internas da Síria devem ser tomadas pela ONU, mas que caso não aconteça e não seja do desejo de Staffan de Mistura – italiano que foi intitulado enviado especial da ONU para realizar as conversações de paz na Síria – a Rússia não vetaria tal decisão.

“Vai ser o erro mais grave não convidar os curdos, mas não iremos impor qualquer veto. Este é um direito de Staffan de Mistura.”, confirmou Sergei Lavrov, na coletiva.

O ministro russo ainda disse que o enviado da ONU deve estar ciente de suas responsabilidades e que não deve se escorar sobre os Estados Unidos e a Rússia apenas.

Os curdos

Os curdos são um obstáculo para a Turquia que claramente faz parte do bloco que apoia os terroristas. Os curdos sírios que ficam nas áreas que fazem fronteira com a Turquia são uma barreira para as rotas estabelecidas de contrabando de armas e petróleo bruto que abastecem Turquia e Israel, além de impedirem o deslocamento de mais terroristas e imigrantes ilegais pelo mundo.

Desde o surgimento do Estado Islâmico, os curdos foram um dos bravos grupos étnicos que impuseram um combate ostensivo contra os terroristas. Inclusive os curdos também ajudaram o Exército Sírio do regime Assad contra os rebeldes do Exército de Libertação da Síria os quais foram abertamente financiados pelos Estados Unidos, França e outros aliados e que eram tratados como “oposição moderada”.

Standard
Moral

Juri do Texas acusa investigadores por vídeos contra Planned Parenthood

O grande júri do Texas acusou os ativistas anti-aborto, que gravaram pessoas da Planned Parenthood comercializando partes corporais de bebês abortados, de adulteração de registro governamental, além de indiciar um dos investigadores por delito relacionados a supor a venda de órgãos por parta da Planned Parenthood. A alegação foi que houve uma operação encoberta, gravada em vídeo, destinada a revelar que a Planned Parenthood lucrou ilegalmente com a venda de tecido fetal “doado”, e as investigações teriam descoberto que os que fizeram aborto não tinham feito nada de errado ou fora da lei.

O grande júri em Harris County indiciou David Daleiden e Sandra Merritt, os dois investigadores por trás dos vídeos que foram feitos para expor como a Planned Parenthood tratava tecido fetal em suas clínicas.

“Milhares de horas de vídeo” foram secretamente filmadas e depois editadas antes da publicação pelo Centro para o Progresso Médico, em julho. Eles mostram a equipe do Planned Parenthood discutindo a venda ilegal e a aquisição de fetos e suas partes corporais.

Na segunda-feira, o grande júri em Harris County colocou um fim na investigação controversa. O juri, incrivelmente, não encontrou nenhuma irregularidade por parte da Planned Parenthood localizada na Costa do Golfo, mas acusou tanto David Daleiden, o fundador do Centro para o Progresso Médico, e Sandra Merritt por adulteração de registro governamental – crime passível com pena máxima de 20 anos de prisão. Daleiden também foi indiciado por delito relacionado a julgar haver compra de órgãos humanos.

“Fomos chamados para investigar alegações de conduta criminosa por Planned Parenthood da Costa do Golfo”, disse Attorney Devon Anderson do distrito de Harrys County. “Como eu disse no início desta investigação, temos de ir para onde a evidência nos leva. Todas as provas descobertas no curso desta investigação foram apresentadas ao júri. ”

Em seu comunicado anunciando a acusação, Anderson, estranhamente, não deu detalhes sobre qual gravação ou gravações haviam sido supostamente adulteradas, ou por que os dois ativistas foram indiciados absurdamente por acusações relacionadas com o comércio de órgãos humanos.

Daleiden, um dos acusados emitiu um comunicado igualando seus atos com “técnicas de disfarces” usadas para jornalismo investigativo. “Nós respeitamos os processos da Harris County District de Attorney, e note que a compra de tecido fetal requer um vendedor”, disse ele, ressaltando que eles estavam seguindo todas as leis aplicáveis.

A Planned Parenthood, dita a maior provedora de “saúde reprodutiva” nos EUA, saudou as acusações ocorridas segunda (25) como mais uma vitória.

“Isso é absolutamente uma grande notícia porque é uma demonstração do que Planned Parenthood tem dito desde o início: Nós seguimos todas as leis e regulamentação e esses ativistas anti-aborto quebraram várias leis para tentar espalhar mentiras”, disse a porta-voz Rochelle Tafolla da Planned Parenthood Gulf Coast.

A prestadora de “cuidados a saúde” também ressaltou que, desde o lançamento dos vídeos, 11 investigações estaduais tinham limpando a barra da organização das acusações sobre a Planned Parenthood ter lucrado com o comércio ilegal de tecidos fetais.

“Essas pessoas quebraram a lei para espalhar mentiras maliciosas sobre a Planned Parenthood, a fim de avançar a sua agenda política extrema anti-aborto. Quando a poeira abaixa a verdade vem à tona, e se tornou totalmente claro que as únicas pessoas que se envolveram em transgressões são os criminosos por trás dessa fraude, e estamos contentes por que eles estão sendo responsabilizados “, Eric Ferrero, porta-voz da Planned Parenthood Federation of America, falou em um comunicado.

A Planned Parenthood lançou uma ação judicial contra os “extremistas anti-aborto” Daleiden e Merritt na semana passada acusando-os de envolvimento em atividades criminosas “complexas”, incluindo gravação ilegal, invasão de privacidade, e registrar identidades falsas para “defraudar” e manchar o nome da Planned Parenthood.

Os apoiadores de aborto e defensores da organização têm dito repetidamente que os vídeos promovem um aumento da violência contra as clínicas, incluindo o tiroteio mortal em uma clínica do Colorado, da Planned Parenthood, em novembro.
O suspeito nesse caso, Robert Lewis Caro, alegou que ele era um “guerreiro para os bebês”, quando ele matou três e feriu outros nove.

Nos Estados Unidos, já ficou claro que o comércio de órgãos e outras partes de crianças abortadas se tornou atividade legal, inclusive defendida por força de lei. Para aqueles que desejam tirar suas próprias conclusões, o Panorama Livre compilou todos os vídeos produzidos sobre a Planned Parenthood na postagem: Dossiê Aborto – Planned Parenthood e a venda de órgãos e partes de bebês assassinados.

Não é de hoje que o governo americano incentiva ou acoberta políticas relacionadas ao aborto. Muitas entidades que fomentam o aborto foram criadas e financiadas com impostos de cidadãos americanos. Além de gozarem de financiamento público as instituições abortistas ainda sobrevivem criando números mentirosos, partindo de dados falsificados, que já foram usados inclusive pelo governo americano como bem denunciou brilhantemente a especialista em saúde pública Isabela Mantovani ao Senado:

 Referência: RT América

Standard