Sociedade

Os amados temas da odiada mídia

Muito se vê a esquerda bradando contra a grande mídia com alcunhas to tipo “mídia golpista”, “esgotosfera”, entre outros termos. Porém essa mesma mídia tão demonizada por vários gurus esquerdistas é a mesma que coloca no topo da opinião pública, os temas e causas tão defendidos pelos bastiões marxistas.

Vejamos, se não fosse a mídia e a indústria cultural, temas como aborto, causa gay, causa negra, feminismo, ambeintalismo, indigenismo entre outros, nunca seriam debatidos com tanto afinco e fanatismo. O lobby a favor dessas causas, assim como todas as causas da esquerda, as quais foram financiadas pela banca sionista, sempre vieram de cima para baixo, ou seja, da elite para a massa. Se notarmos como é o comportamento dos principais veículos de comunicação, fica nítido como a grande mídia sempre jogou gasolina e empurrou o gado a debater os temas anteriomente citados.

Pautas muito mais importantes nunca foram debatidas com o clamor público das causas da esquerda, simplesmente por não aparecerem no noticiário ou em filme e novelas. Em 2005, o brasileiro – por meio de um plebiscito – disse querer o armamento civil. Apesar da vitória da maioria, o assunto foi esquecido e nunca mais recebeu o clamor popular. Outro exemplo é o projeto atômico/nuclear brasileiro, importante tanto por sua geração de energia barata quanto para fins de defesa, visto que estamos em um mundo cada vez mais turbulento.

Em contrapartida, o aborto, recebeu um programa inteiro dedicado pela “golpista” Rede Globo, na terça-feira, 28 de outubro, de 2014. Muitos ainda acreditam que a elite por trás da Globo, que promove essa agenda, tem o intuito de lutar pela liberdade e o direito das mulheres, quando na verdade trata-se apenas de uma causa neomalthusiana, de redução populacional.

Outro caso recente dos orgãos de comunicação brasileiros colocando lenha na fogueira para um debate inútil, que durou semanas, foi o caso de “racismo” no jogo Grêmio e Santos, pela Copa do Brasil. Transformaram o ato de gritar “macaco” em um estádio de futebol, em algo pior que o desvio de verbas em empresas públicas, em algo pior que ser ligado a narcotraficantes ou expropriar cidadãos brasileiros de suas terras para entregá-las a orgãos internacionais. Não satisfeitos, os senhores da comunicação foram incapazes de explicar a diferença entre uma injúria racial e o crime de racismo em si, levando o cidadão desatento ao erro de julgamento.

Outro caso clássico que só leva a divisão da unidade nacional – sendo esse um dos grandes interesses de forças internacionais – é a troca de farpas entre os que nasceram no Nordeste e os que nasceram no Sul/Sudeste. Mas os barões da comunicação não estão interessados na paz e na cooperação entre brasileiros e obviamente transformarão um exemplo micro, único, de ofensa, em uma guerra separatista.

Então o formato é o seguinte: noticia-se um caso único – quanto mais repercutir, mais acontecerá – quanto mais acontecer, mais noticia-se – quanto mais noticia-se, mais repercute – quanto mais repercute, mais acontece e assim Ad Eternum. Desta maneira o caos é espalhado e então destroi-se a unidade da nação.

É incrívrel como os, ditos, “cabeça aberta” progressistas só debatem e, unicamente, debatem temas propagados pela grande mídia.

Já fazem alguns meses que São Paulo sofre com a falta de água. Algum cabeça aberta, cult, alternativo, sequer citou a existência do aquifero Guaraní, um dos maiores reservatórios de água doce do mundo? Algum militante “anti mídia golpista” jogou na mesa uma possível geoengenharia feita visando parar as chuvas? Nos últimos anos era clichê ouvir das autoridades paulistas que “choveu em um dia, o que era pra chover em semanas/em meses”. E de um ano para o outro acabaram as chuvas?

Não é questão de afirmar que o motivo da falta de chuvas, em São Paulo, se dá graças a geoengenharia, mas um debate sério, com um tema novo e que parece ter poder para interferir na vida de milhões, não mata ninguém, concordam? Ou há algo a esconder?

Há muitas pessoas que se colocam na esquerda, que têm boas intenções e querem o bem do próximo e de si. Digo que já está na hora dessas pessoas perceberem que elas só têm opiniões formadas sobre temas abordados pela tão achincalhada grande mídia. Faça um teste, pergunte a sí mesmo sobre que temas você tem opinião formada e você perceberá que segue uma agenda, uma engenharia social, sem nem ao menos se dar conta.

Temas da grande mídia: aborto, casamento homoafetivo, racismo, meio-ambiente, violência contra a mulher/homossexual, ataques contra nordestinos, programas de assistência social.

De maneira nenhuma deve-se ignorar os direitos individuais de qualquer ser humano. A individualidade de todos deve ser respeitada. Tenha o indivíduo a caracteristica que for, só devemos lembrar que a legislação brasileira já protege esses direitos, tornando qualquer debate, mais acirrado, útil somente para fomentar o caos e divisão da nossa sociedade – Divide et imperas.

Por fim, voltando aos temas, pergunte a si mesmo o que pensas sobre: armamento civil, aquifero Guarani e aquifero Alter do Chão, expropriação de brasileiros para que as terras sejam entregues a ONGs internacionais, ONGs internacionais cuidando de reservas ambientais, geoengenharia, projeto atômico/nuclear brasileiro, uso da biomassa como fonte energética (30% da energia usada no Brasil provém da biomassa), fim do banco central…

E então, quais temas são mais discutidos pelo grupo que você pertence? Temas midiáticos ou temas não midiáticos?

Advertisements
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s